Dia 9 | 16h00 - Igreja de Santa Catarina
Dia 10 | 16h00 
- Basílica da Estrela

1ª parte
Plorate filii Israel | Giacomo Carissimi (1605 - 1674)
Abendlied | Joseph Rheinberger (1839 - 1901)
Magnificat¬†| ńíriks EŇ°envalds (1977 - )

2ª parte

Requiem | John Rutter (1945 - )

  • Requiem Aeternam
  • Out of the deep
  • Sanctus
  • Pie Jesu
  • Agnus Dei
  • The Lord is My Shepherd
  • Lux Aeterna

Notas ao programa
Das trevas √† luz √© o mote inicial para este concerto do Coro Regina Coeli de Lisboa que, depois de um longo interregno for√ßado de quase dois anos, vai recuperando a sua actividade regular de concertos. Perante o espectro da guerra que invadiu violentamente o nosso quotidiano, combatemos a escurid√£o com m√ļsica, na expectativa de que a luz vencer√° as trevas e que a vida triunfar√° sobre a morte.

O nosso programa inicia-se com o dram√°tico coro final da orat√≥ria¬†Jephte, de Carissimi.¬†Plorate filli Israel √© um tocante exemplo do poder da m√ļsica para descrever as emo√ß√Ķes humanas. Baseado na hist√≥ria b√≠blica de¬†Ju√≠zes, Jeft√© promete a Deus em sacr√≠ficio a primeira criatura que o saudasse ao chegar a sua casa, caso vencesse os Amonitas (antigo povo da Palestina).¬† Ao regressar vitorioso da batalha, Jeft√© √© recebido em festa pela sua √ļnica filha. Angustiado, diz-lhe que n√£o pode renunciar aos seus votos. A filha de Jeft√© desconsolada por nunca poder ter disfrutado a vida de casada, pede-lhe um per√≠odo de gra√ßa de dois meses para chorar com as suas amigas a sua virgindade.

Plorate filii Israel, plorate omnes virgines, et filiam Jephte unigenitam in carmine doloris lamentamini.
// Chorai, √≥ filhos de Israel, a virgindade e a dor da filha de Jeft√© e cantai lamenta√ß√Ķes.

A obra seguinte,¬†Abendlied de Rheinberger, trata-se de um motete sacro, com texto em l√≠ngua alem√£ retirado da vers√£o luterana do evangelho de S√£o Lucas, e que retrata a primeira das apari√ß√Ķes de Jesus ressuscitado ap√≥s a descoberta do seu t√ļmulo vazio. Ao aparecer, no caminho de Ema√ļs, de forma irreconhec√≠vel aos seus disc√≠pulos, ouve-os, consola-os e √© convidado a cear com eles.

Bleib bei uns, denn es will Abend werden, und der Tag hat sich geneiget
// Fica connosco, Senhor, porque a tarde cai e o dia chega ao fim.

A primeira parte do concerto termina com o Magnificat¬†de EŇ°envalds. Trata-se de um dos mais antigos hinos marianos, retirado do Evangelho de S√£o Lucas e que narra o an√ļncio de gravidez de Isabel, prima da Virgem Maria, que carrega no ventre Jo√£o Batista. Estas duas mulheres carregam nos seus filhos um manifesto de esperan√ßa de futuro. Ao louvar Maria pela sua f√© em Deus, esta entoa a Isabel o texto do Magnificat como resposta.

Magnificat anima mea Dominum:et exsultavit spiritus meus in Deo salutari meo. Quia respexit humilitatem ancillae suae: ecce enim ex hoc beatam me dicent omnes generationes, quia fecit mihi magna qui potens est: et sanctum nomen ejus, et misericordia ejus a progenie in progenies timentibus eum. Fecit potentiam in brachio suo: dispersit superbos mente cordis sui. Deposuit potentes de sede, et exaltavit humiles. Esurientes implevit bonis: et divites dimisit inanes. Suscepit Isra√ęl puerum suum, recordatus misericordia sua: sicut locutus est ad patres nostros, Abraham et semini ejus in saecula. Amen.

// A minha alma engrandece o Senhor e o meu espírito se alegrou em Deus meu Salvador. Pois Ele me contemplou na humildade da sua serva. Pois desde agora e para sempre me considerarão bem-aventurada. Pois o Poderoso me fez grandes coisas. Santo é Seu nome. A Sua misericórdia se estende a toda a geração daqueles que o temem. Com o Seu braço agiu mui valorosamente. Dispersou os que no coração tem pensamentos soberbos. Derrubou dos seus tronos os poderosos. Exaltou os humildes, encheu de bens os famintos. Despediu vazios os ricos. Amparou a Israel Seu servo para lembrar-se da Sua misericórdia. A favor de Abraão e sua descendência como havia falado a nossos pais. Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Na segunda parte deste concerto, apresentamos o Requiem de John Rutter.  Composto em 1985, em homenagem ao seu falecido pai, não segue rigorosamente as partes convencionadas da liturgia católica, combinando textos da Missa de Defuntos com Salmos do Livro de Oração Comum anglicano, tal como haviam feito Fauré, Brahms e Duruflé, referências onde o compositor foi buscar inspiração para a construção desta obra.

Apresenta-se a vers√£o com redu√ß√£o de orquestra para piano e apontamentos sol√≠sticos de violoncelo, obo√© e flauta. O primeiro andamento compreende o Requiem Aeternam e o Kyrie Eleison, seguido do Salmo 130¬†Out of the deep have I called unto thee O Lord.¬†Tal como os¬†Requiem¬†de Faur√© e Durufl√©, o Pie Jesu¬†tem como foco o soprano solista, comentado pelo coro. O¬†Sanctus¬†e o Benedictus¬†s√£o seguidos de um festivo¬†Hossana. Rutter comp√Ķe um¬†Agnus Dei, oscilando o texto latino com versos das Cerim√≥nias F√ļnebres do Livro de Ora√ß√£o Comum de 1662, inserindo o Salmo 23 acompanhado por um lamentoso solo de obo√©. O √ļltimo andamento come√ßa com outro verso das Cerim√≥nias F√ļnebres, com um solo de soprano que progride para o Lux Aeterna, para ent√£o terminar a obra de forma tranquila e pac√≠fica com o tema do¬†Requiem Aeternam.

Requiem Aeternam
Requiem aeternam, Requiem aeternam dona eis, Domine, et lux perpetua luceat eis. Te decet hymnus Deus in Sion, et tibi reddetur votum in Jerusalem; Exaudi orationem meam, ad te omnis caro veniet. Kyrie, eleison! Christe, eleison! Kyrie, eleison!

// Dá-lhes, Senhor, o eterno descanso, e que para eles resplandeça a luz perpétua. Tu és digno de hinos, ó Deus em Sião, e Ti rendemos homenagens em Jerusalém. Ouve a minha oração, diante de Ti toda a carne comparecerá. Senhor, tem piedade! Cristo, tem piedade! Senhor, tem piedade!

Out of the deep
Out of the deep have I called unto thee, O Lord. Lord, hear my voice. O let thine ears consider well: the voice of my complaint. If thou, Lord, wilt be extreme to mark what is done amiss? O Lord, who may abide it? For there is mercy with thee, therefore, shalt thou be feared. I look for the Lord, my soul doth wait for him, in his word is my trust. My soil fleeth unto the Lord before the morning watch, I say, before the morning watch. O Israel trust in the Lord, for with the Lord there is mercy, and with him is plenteous redemption. And he shall redeem Israel from all his sins.

// Das profundezas clamo a ti, √≥ Senhor. Senhor, ouve a minha voz: sejam os teus ouvidos atentos √† voz das minhas s√ļplicas. Se tu, Senhor, observares as iniquidades, Senhor, quem subsistir√°? Mas contigo est√° o perd√£o, para que sejas temido. Aguardo ao Senhor; a minha alma o aguarda, e espero na sua palavra. A minha alma anseia pelo Senhor, mais do que os guardas pela manh√£, mais do que os que velam pela manh√£. Espere Israel no Senhor; porque no Senhor h√° miseric√≥rdia, e nele h√° abundante reden√ß√£o. E ele remir√° Israel de todas as suas iniquidades.

Sanctus
Sanctus, Sanctus, Sanctus, Dominus Deus Sabaoth! Pleni sunt Caeli et Terra gloria Tua. Hosanna in excelsis! Benedictus qui venit in Nomine Domini. Hosanna in excelsis!

// Santo, Santo, Santo, Senhor Deus do Universo! O Céu e a Terra proclamam a Vossa glória. Hosana nas alturas! Bendito o que vem em Nome do Senhor. Hosana nas alturas!

Pie Jesu
Pie Jesu Domine, dona eis requiem, Pie Jesu Domine, dona eis requiem, Pie Jesu Domine, dona eis requiem sempiternam.

// Jesus piedoso, d√°-lhes descanso, Jesus piedoso, d√°-lhes descanso, Jesus piedoso, d√°-lhes descanso, eterno.

Agnus Dei
Agnus Dei, qui tollis pecatta mundi, dona eis requiem.
Man that us born of a woman hath but a short time to live, and is full of misery. He cometh up, and is cut down like a flower, he fleeth as it were a shadow.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, dona eis requiem.

In the midst of life, we are in death; of whom may we seek for succour?
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi. Dona eis requiem.

// Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, d√°-lhes o descanso eterno.
O homem nascido de uma mulher, não tem mais que um curto tempo para viver e em miséria. Ele nasce e é cortado como uma flor, vagueia como se fosse uma sombra.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, d√°-lhes o descanso eterno.
No meio da vida estamos na morte. A quem podemos procurar por socorro?
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, d√°-lhes o descanso eterno.

The Lord is My Shepherd
The Lord is my shepherd: therefore can I lack nothing. He shall feed me in a green pasture: and lead me forth beside the waters of comfort. He shall convert my soul: and bring me forth in the paths of righteousness, for his Name's sake. Yea, though I walk through the valley of the shadow of death, I will fear no evil: for thou art with me; thy rod and thy staff comfort me. Thou shalt prepare a table for me before me against them that trouble me: thou has anointed my head with oil, and my cup shall be full. But thy loving-kindness and mercy shall follow me all the days of my life: and I will dwell in the house of the Lord for ever.

// O Senhor é o meu pastor e nada me faltará. Deita-me em verdes pastos e guia-me mansamente em águas tranquilas. Refrigera a minha alma, guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome. Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque Tu estás comigo, a Tua vara e o Teu cajado me consolam. Prepara-me uma mesa perante os meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda. Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

Lux Aeterna
I heard a voice from heaven saying unto me. Blessed are the dead who die in the Lord, for they rest from their labours; even so saith the Spirit.
Lux aeterna luceat eis Domine; Cum sanctis tuis in aeternum, quia pius es.

Requiem aeternam dona eis Domine, et lux perpetua luceat eis.

// Ouvi uma voz do céu que me disse: felizes os que morrem em união com o Senhor, pois hão de descansar das suas fadigas. Assim é, disse o espírito.
Que a luz eterna os ilumine, Senhor; Com os teus santos pela eternidade, pois és piedoso.

Dá-lhes, Senhor, o eterno descanso, e que para eles resplandeça a luz perpétua.

 

Biografias

Alexandra Bernardo | Soprano
Terminou o curso de Canto com classifica√ß√£o m√°xima na EMNSC, na classe de Joana Levy, fez a sua especializa√ß√£o em √ďpera e Lied com Elena Dumitrescu Nentwig e trabalha actualmente com Dora Rodrigues e Elisabete Matos. Em masterclasse trabalhou com Montserrat Caball√©, Jill Feldman, Nico Castel, Ricardo Estrada, Fred Carama, Pamela Armstrong e Jo√£o Paulo Santos, entre outros. Tem-se apresentado frequentemente em √≥pera, concerto e recital em Portugal e Europa. Os seus pap√©is incluem Donna Anna (Don Giovanni, W. A. Mozart), Fiordiligi (Cos√¨ Fan Tutte, W. A. Mozart), Vitellia (La Clemenza di Tito, W. A. Mozart), Pamina (Die Zauberfl√∂te, W. A. Mozart), Dido (Dido & Aeneas, H. Purcell), Cunegonde (Candide, L. Bernstein), Maria (West Side Story, L. Bernstein) e Violetta (La Traviata, G. Verdi). Em 2014 foi Eur√≠dice em Orfeu e Eur√≠dice de Gluck, bailado de Olga Roriz para a Companhia Nacional de Bailado, com Divino Sospiro. Conquistou o 1¬ļ Pr√©mio e o Pr√©mio do P√ļblico no 8¬ļ Concurso de Canto L√≠rico da Funda√ß√£o Rot√°ria Portuguesa, o 2¬ļ Pr√©mio e Pr√©mio do P√ļblico do 15¬ļ Concurso de Interpreta√ß√£o do Estoril, o 3o Pr√©mio no 1st Barcelona Music Festival Competition, entre outros. Das suas apresenta√ß√Ķes em Orat√≥ria e Cantata destacam-se Magnificat em Talha Dourada de E. Carrapatoso, Gloria de Vivaldi, Requiem de Durufl√©, Ein Deutches Requiem de Brahms, Requiem de Faur√©, Requiem de Mozart, O holder Tag, erw√ľnschte Zeit, de Bach e 4¬™ Sinfonia, de Mahler. √Č membro fundador da Nova √ďpera de Lisboa.

Bernardo Marques | Piano
Realizou os seus estudos musicais na Escola de M√ļsica Nossa Senhora do Cabo, tendo terminado o Curso de Piano em 2009 com a m√°xima classifica√ß√£o, na classe da professora Madalena Reis. Nesta escola, a sua forma√ß√£o passou ainda pelo canto, pela √≥pera, m√ļsica antiga (cravo e baixo-cont√≠nuo) e m√ļsica contempor√Ęnea. Em 2012, concluiu a licenciatura em Piano na Escola Superior de M√ļsica de Lisboa, onde trabalhou com o professor Jorge Moyano. Estudou ainda piano com Artur Pizarro e m√ļsica de c√Ęmara com Olga Prats. Conquistou o 1¬ļ Pr√©mio do N√≠vel Superior de Piano no 14¬ļ Concurso Internacional Cidade do Fund√£o e o Pr√©mio de Melhor Pianista Acompanhador no 8¬ļ Concurso de Canto L√≠rico da Funda√ß√£o Rot√°ria Portuguesa, entre outros. A sua actividade concert√≠stica tem-se dividido entre solo e m√ļsica de c√Ęmara. √Č tamb√©m frequentemente convidado a trabalhar como pianista acompanhador e correpetidor de √≥pera e de coros, destacando-se participa√ß√Ķes no Festival Vocalizze, no Festival Coros de Ver√£o e no Curso Internacional de M√ļsica Vocal de Aveiro (Curso de √ďpera), bem como colabora√ß√Ķes com a Funda√ß√£o Gulbenkian (Coro, Orquestra, Concertos Participativos e ENOA), com o Teatro Nacional de S√£o Carlos, com a Metropolitana (Ateli√™ de √ďpera) e com a √ďpera no Patrim√≥nio. Na √°rea da direc√ß√£o, estudou direc√ß√£o coral com o maestro Paulo Louren√ßo e direc√ß√£o orquestral com o maestro Jean-Marc Burfin. Em masterclasse, trabalhou com Dr. Eugene Rogers, Dr. Brett Scott, Jean-S√©bastien B√©reau e Ernst Schelle. Especializou-se em √≥pera com Elena Dumitrescu-Nentwig. √Č membro fundador e director art√≠stico da companhia Nova √ďpera de Lisboa e maestro assistente na Orquestra Sinf√≥nica Juvenil.

Ester Santos | Violoncelo
Natural de Lisboa iniciou o seu percurso musical aos 8 anos na Orquestra Gera√ß√£o. Atrav√©s deste projeto, Ester Santos teve acesso a v√°rios eventos, tais como: Projeto Seyo no Reino Unido e A√ļstria, tocar juntamente com a Orquestra Gulbenkian, ensaio com Gustavo Dudamel. Aos 11 anos ganhou o 1.¬ļ Lugar na Categoria B no concurso A. Capela. Aos 14 anos ficou em 2.¬ļ Lugar na Categoria C no concurso Vecchi ‚Äď Costa. Participou de v√°rias Masterclasses: Lu√≠s S√° Pessoa, Paulo Gaia Lima, Maria Macedo e Teresa Valente Pereira. Estuda na Escola Profissional Metropolitana tendo como professora a violoncelista Ana Cl√°udia Serr√£o. √Č aluna no curso de Dire√ß√£o de Orquestra com a Maestrina Teresa Hernandez na Escola C√°tedra Integral. Participa no quarteto Zlatna (criado entre alguns colegas da Escola Metropolitana) e na orquestra OGDA (pertencente √† C√Ęmara Municipal da Amadora).

Janete Silva |  Flauta transversal
Iniciou os seus estudos musicais em 2007 na Juventude de Sanguedo em piano, concluindo o 3¬ļ grau neste instrumento. Em 2008 iniciou os seus estudos em flauta transversal na classe da professora Marta Oliveira, e em 2010 ingressou no Grupo Musical de Fi√£es com orienta√ß√£o da professora Joaquina Mota, terminando o 5¬ļ grau. Em 2014 frequentou o Conservat√≥rio de M√ļsica do Porto, onde concluiu o curso secund√°rio de flauta com a classifica√ß√£o m√°xima de 20 valores, na classe do professor Lu√≠s Meireles. Atualmente, estuda na Academia Nacional Superior de Orquestra, sendo orientada pelo professor e flautista Nuno In√°cio. Ao longo do seu percurso acad√©mico, tem realizado v√°rios masterclasses com flautistas de renome, destacando-se: Giuseppe Nova, Shimizu Kazutaka, Joseh Daniel Castellon, Michel Bellavance, Stephano Parrino, Adriana Ferreira, Marco Pereira, Monica Finc√≥, Raquel Lima, Nuno In√°cio, W√®ndela Van Swoll, Juliette Hurel, Emily Beynon, Robert Winn, e Silvia Carredu Realizou workshops de respira√ß√£o circular e de t√©cnicas de Alexander. Em 2017, assistiu ao festival ‚ÄúFlautissimo‚ÄĚ em Roma, onde teve contacto com flautista como Julien Beaudiment, Sebastian Jacot, Mario Caroli, Paolo Taballione, Juliette Hurel e Jacques Zoon. Ao longo do seu percurso, arrecadou alguns pr√©mios, destacando-se o 3¬ļlugar no concurso internacional Lions, na categoria mais elevada. Relativamente √† sua experi√™ncia em orquestra, em 2019 ganhou o lugar de reserva na Orquestra Acad√©mica Filarm√≥nica Portuguesa, integra a Jovem Orquestra Portuguesa e o Est√°gio da Orquestra Gulbenkian. Colabora a Orquestra Acad√©mica Metropolitana, e a Orquestra Metropolitana de Lisboa.

João Balegas | Oboé
Iniciou os estudos de obo√© aos 14 anos de idade na Escola de M√ļsica do Conservat√≥rio Nacional com o Prof. Lu√≠s Marques. Dois anos mais tarde, no mesmo conservat√≥rio, ingressou no Curso Profissional de Instrumentista de Sopros e Percuss√£o na classe do Prof. Salvador Parola. Em 2019, ingressou na Academia Nacional Superior de Orquestra, na classe do Prof. Nelson Alves. Como aluno, participou em Masterclasses com Laura Marcos, Sally Dean, Christian Wetzel e Ram√≥n Ortega Quero. Participou, tamb√©m, nas edi√ß√Ķes 2011 e 2012 da Orquestra de Jovens dos Conservat√≥rios Oficiais de M√ļsica, sob dire√ß√£o de Eduardo Garcia-Barrios e Rodolfo Saglimbeni, no est√°gio de 2012 da OCPzero, sob dire√ß√£o Pedro Carneiro, e tornou-se instrumentista efetivo da Orquestra Sinf√≥nica Juvenil entre os anos de 2012 e de 2015, sob dire√ß√£o Christopher Bochmann. Integrou a Banda Sinf√≥nica do Ex√©rcito, entre 2013 e 2014, e a Banda do Ex√©rcito ‚Äď Descamento do Porto, entre 2014 e 2019, onde se apresentou a solo em Obo√© e Corne- Ingl√™s. Jo√£o Balegas tem vindo a colaborar com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, a Sinfonietta do Porto, a Sinfonietta de Ponta Delgada, o Capdeville Ensemble e a Orquestra de C√Ęmara de Cascais e Oeiras, sendo dirigido por Maestros como Pedro Neves, Pedro Amaral, Rui Pinheiro, Jos√© Eduardo Gomes e Nikolay Lalov. Atualmente, Jo√£o Balegas frequenta o √ļltimo ano da Licenciatura em Instrumentista de Orquestra na Academia Nacional Superior de Orquestra, na classe de obo√© do Prof. Nelson Alves.

Pedro Miguel | Direcção
Iniciou os seus estudos musicais na Escola de M√ļsica Nossa Senhora do Cabo, onde concluiu o curso de piano, com Marina Dellalian, e frequentou o Curso de Canto com Joana Levy. Em 2000, ingressou na licenciatura em Ci√™ncias Musicais da Faculdade de Ci√™ncias Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Licenciado em Direc√ß√£o Coral e Forma√ß√£o Musical pela Escola Superior de M√ļsica de Lisboa, realizou o Mestrado em Direc√ß√£o Coral, sob a orienta√ß√£o de Paulo Louren√ßo. Neste √Ęmbito, assumiu o cargo de Maestro Adjunto do Coro de C√Ęmara da Escola Superior de M√ļsica de Lisboa entre 2011 e 2013, coro com o qual participou no I Festival Coral de Ver√£o 2012, tendo alcan√ßado a Medalha de Ouro (II) na Categoria B2. Participou nas classes de direc√ß√£o do 4.¬ļ Est√°gio Internacional de Orquestra, sob a orienta√ß√£o de Jean S√©bastien B√©reau, e do 7.¬ļ Curso Internacional de M√ļsica Vocal de Aveiro, com Paulo Louren√ßo e Ant√≥nio Vassalo Louren√ßo. Em 2006, integrou o corpo docente do Conservat√≥rio Regional da Covilh√£, onde leccionou at√© 2008, tendo sido Director Art√≠stico do Orfe√£o da Covilh√£ durante o mesmo per√≠odo. Entre 2008 e Janeiro de 2012, dirigiu o Coro do Orfe√£o de Leiria e o Coro de C√Ęmara do Orfe√£o de Leiria, coro com o qual participou no Concurso Jovens Talentos 2011, onde alcan√ßou o 1.¬ļ Pr√©mio na categoria de classe de conjunto, escal√£o A. Dirigiu, entre 2006 e 2012, o Coro Vozes Crescendo. √Č, desde 2005, membro do Coro Gulbenkian. Assumiu, entre setembro de 2011 e julho de 2013, a Direc√ß√£o Art√≠stica do Coral de Linda-a-Velha. Leccionou, no ano lectivo 2012/2013, as disciplinas de Educa√ß√£o Vocal e T√©cnicas de Direc√ß√£o da licenciatura em M√ļsica na Comunidade da Escola Superior de Educa√ß√£o de Lisboa/Escola Superior de M√ļsica de Lisboa. Em 2015 e 2016 dirigiu o Coro Regina Coeli de Lisboa no Festival Coral de Ver√£o, integrado nas Festas de Lisboa, conquistando em 2015 a medalha de Ouro-III na categoria Vozes Mistas e em 2016 a medalha de Prata-IX na categoria M√ļsica Sacra. Dirigiu entre 2015 e 2018 o Coro do ISCTE-IUL. Dirige, desde Novembro de 2012, o Grupo Coral de Queluz, desde Fevereiro de 2013, o Coro Regina Coeli de Lisboa e desde 2018 o Coro do Millennium BCP.